IDIOMA

 
 
 
Serviços de A a Z
Quarta, 12 de junho de 2013, 17h39 | Tamanho do texto: A- A+

ENTREVISTA

“Temos muito trabalho a fazer, mas temos a certeza de que estamos no rumo certo”, diz Maurício Guimarães

Faltando um ano para a Copa do Mundo, o secretário da Secopa faz um balanço das ações para o Mundial em Cuiabá

ASSESSORIA SECOPA
Secopa-MT
Edson Rodrigues/Secopa
Secretário Extraordinário da Copa do Mundo de 2014, Maurício Souza Guimarães
Secretário Extraordinário da Copa do Mundo de 2014, Maurício Souza Guimarães

Com 56 obras em andamento, a capital mato-grossense se prepara para receber aproximadamente 70 mil turistas com muita alegria e um sorriso no rosto de cada cidadão. As obras, em sua grande maioria, estão perto da conclusão e vão proporcionar melhor qualidade de vida para a população, que contará com novos viadutos, pontes, trincheiras, um moderno meio de transporte (VLT) e uma sustentável arena multiuso.

Em um bate-papo com a Assessoria de Comunicação da Secopa, o secretário Mauricio Guimarães comentou as etapas de construção de uma nova cidade, os novos desafios, o andamento das obras da Arena Pantanal, a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e a importância da participação de toda a sociedade no evento.

Ascom - Faltando um ano para a Copa do Mundo, qual é o maior desafio da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo?

Mauricio Guimarães - Passamos por diversas etapas durante esses últimos três anos. Tivemos a fase de comemoração da escolha como sede da Copa, as dúvidas com relação ao acontecimento de algumas obras e a escolha do modal de transporte. Com um ano para o início da Copa do Mundo, entramos em uma nova fase, a fase de preparação e acontecimento do evento, além da entrega das obras. Nesses próximos seis meses, o governador Silval Barbosa irá realizar a inauguração de diversas obras de mobilidade, a belíssima Arena Pantanal e o novo aeroporto Marechal Rondon. Nesse momento, também a preparação do evento começa a ganhar uma nova cara. Temos as comissões de embelezamento da cidade, as câmaras temáticas definindo questões de saúde e segurança para o Mundial. A caminhada no próximo domingo, dia 16 de junho, irá deixar a população no clima da Copa. Será um evento muito legal, teremos show nacional, atrações regionais e o envolvimento de toda a população.

Ascom - O senhor diz que não organiza uma Copa do Mundo sozinho. Qual é a importância de parcerias e do apoio da população e das prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande nesse processo?

Guimarães
- Sempre digo que não é fácil fazer um evento grandioso como a Copa do Mundo da FIFA, por isso que qualquer ajuda é muito bem-vinda. Desde os moradores dos bairros, que devem evitar o acúmulo de água parada para não termos surtos de dengue, que é uma questão de saúde pública, a parcerias com Rotary, Lyons e Maçonaria. Estamos abertos a toda e qualquer ajuda... As prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande têm contribuído muito para ações importantes para o Mundial, entre elas a situação dos comerciantes no Verdão e o apoio nos processos de recuperação de vias nos trajetos alternativos das obras.

Ascom - Apesar dos viadutos ganharem formas, trincheiras avançarem na sua execução e muitas obras estarem perto da conclusão, os órgãos de controle apontam atrasos em alguns projetos. O que o senhor tem a dizer para população sobre isso?

Guimarães - Os apontamentos feitos pela Rede de Controle (MPE, TCE e MP) são extremamente benéficos e nos auxiliam muito para o andamento das obras da Copa em Cuiabá. Eles estão apenas cumprindo o seu papel fiscalizador. Quero dizer à sociedade que o governador Silval Barbosa tem se esforçado diuturnamente para que todas as obras aconteçam e que elas sejam entregues o mais rápido possível para a população. Nós já concluímos algumas obras, como a avenida Juliano Costa Marques, a ponte do Jardim das Palmeiras e a pavimentação da avenida Camboriú. Temos outras perto da conclusão, como a trincheira da Ciríaco Cândia e o viaduto do Despraiado, que será a primeira grande obra a ser entregue já agora no mês de julho. Quero deixar claro que praticamente todas as obras serão entregues até dezembro de 2013, apenas o VLT ficará para o primeiro trimestre de 2014.

Ascom - E o Veiculo Leve sobre Trilhos, como está a execução do novo modal de transporte público de Cuiabá e Várzea Grande?

Guimarães - Estamos atuando em diversas frentes de trabalho. Hoje temos a execução da trincheira do KM Zero, as obras do viaduto do aeroporto, a construção da ponte sobre o Rio Cuiabá, viaduto da Sefaz, viaduto da MT-040, viaduto da UFMT e Centro de Comando e Controle. Já estão em fabricação na Espanha mais de 15 vagões, dos 40 previstos. Os dois primeiros chegam a Cuiabá em agosto deste ano. Os trilhos já estão sendo fabricados na Polônia, são 120 km de trilhos que serão implantados nos 22,2 km de trajeto do VLT. Por exemplo, só no Centro de Comando e Controle serão instalados 15 km de trilhos.

Ascom - Com aproximadamente 70% das obras concluídas, como está a construção da Arena Pantanal?

Guimarães - A Arena Pantanal está em um ritmo bem avançado. Atualmente estamos com mais de 1.350 colaboradores na obra e os esforços estão focalizados nas fases de acabamento, cobertura e estrutura metálica. A entrega está prevista para outubro de 2013 e temos a convicção que entregaremos para a FIFA um dos mais belos estádios para a Copa do Mundo de 2014.

Ascom - A gastronomia e a cultura regionais vão atrair turistas para MT durante a Copa do Mundo?

Guimarães - Digo muito que a os turistas não vêm a Cuiabá para ver pontes, viadutos, trincheiras e outras obras de mobilidade urbana. Os turistas que vierem a Cuiabá irão aproveitar a riqueza da nossa cultura, as delícias da nossa gastronomia, o nosso artesanato, além de verificar a alegria e o prazer de serem recebidos por um povo alegre e que gosta de recepcionar quem vem de fora. Os olhos do mundo estarão voltados para o Brasil e Cuiabá durante mais de 30 dias. É a nossa hora de mostrar o quanto somos belos e capazes de realizar um dos maiores eventos esportivos do planeta. Um estudo que realizamos, em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso, apontou que aproximadamente 70 mil turistas devem visitar Cuiabá durante os quatro jogos da primeira fase.

Ascom - Como o senhor avalia a condução dos projetos que prepararam MT para Copa?

Guimarães - Temos muito trabalho a fazer, mas temos a certeza de que estamos no caminho certo, apesar de todas as dificuldades que passamos até aqui. Cumpriremos os prazos e, ao final de todo o processo, toda a população será beneficiada com um novo padrão de mobilidade urbana, novos espaços esportivos, como a Arena Pantanal e dois Centros Oficiais de Treinamento (COTs), e um moderno aeroporto. Porém, agora temos mais uma etapa, que são as ações efetivamente para Copa do Mundo, como voluntariado, o Fan Fest e organização da cidade em dias de jogos.

Ascom - Como o senhor vê Cuiabá após Copa do Mundo?

Guimarães - Outra cidade. Gostaria que todo cidadão tirasse uma foto mental de como era Cuiabá antes da Copa do Mundo e a comparasse com o retrato da cidade no final do primeiro semestre de 2014. Iremos enxergar uma cidade reestruturada em mobilidade urbana e reconhecida internacionalmente. Fala-se muito em caos por causa das obras, mas o caos já existia. As intervenções no trânsito mostraram para nós todos que precisávamos enfrentar tudo isso e realizar as mudanças necessárias para estabelecer um padrão de qualidade no trânsito da cidade.

Entrevistas

Newsletter
Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: