IDIOMA

 
 
 
Serviços de A a Z
Domingo, 11 de novembro de 2012, 09h00 | Tamanho do texto: A- A+

VIDEOMONITORAMENTO

Segurança aliada à tecnologia

LIDIANA CUIABANO
Assessoria/Sesp-MT

Em uma década de funcionamento ininterrupto, o call center da segurança Pública chega ao marco de dez milhões de chamadas telefônicas aos números de emergência da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil e Corpo de Bombeiros, sendo mais de um milhão de chamadas com atendimento imediato. Espalhadas em pontos estratégicos de Cuiabá e Várzea Grande, as 72 câmeras de videomonitoramento do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) otimizam o trabalho dos operadores da Segurança, além de servirem como subsídio para investigações criminais. Para a Copa do Mundo, a meta da Secretaria de Segurança Pública é implantar mais 200 câmeras nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande, com objetivo de garantir a tranquilidade da população e público que vierem prestigiar aos jogos na Capital. Confira nesta entrevista com o coordenador do Ciosp, tenente-coronel PM Eduardo Henrique de Souza.


Quais as vantagens do videomonitoramento para a Segurança Pública?

R: O videomonitoramento é uma ferramenta de tecnologia empregada pela Sesp em Cuiabá e Várzea Grande desde 2007, e que vem fortalecendo, haja vista os bons números que ela tem alcançado tanto na questão de prevenção, repressão, como na parte investigativa de ocorrências que acontecem nas proximidades onde as câmeras estão instaladas. Por meio delas, pontos estratégicos de Cuiabá e Várzea Grande são monitorados 24 horas. Elas são como um policial 24 horas monitorando um determinado espaço.

Como está o trabalho integrado do Ciosp com a parceria do SMTU?

R: O trabalho integrado foi a maior intenção do surgimento do Ciosp - um espaço físico onde todas as instituições de segurança pública integrem esse núcleo e dali possam deliberar ações conjuntas frente a determinadas situações em que é necessária a intervenção de mais de uma instituição. Estão juntos no Ciosp, desde 2002, a Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Corpo de Bombeiros e, tempos depois, somou forças a Guarda Municipal de Várzea Grande. Recentemente a SMTU passou a compor também o nosso Centro Integrado de Operações, e todo esse trabalho integrado é um ganho muito grande para a sociedade e para as instituições. Um bom exemplo disso foi uma ocorrência de incêndio que aconteceu há pouco tempo na avenida Prainha, em Cuiabá. Tínhamos o monitoramento por câmeras, por onde foi visualizado o incêndio, a Polícia Militar deslocou para cercar o local, e a SMTU entrou para bloquear as vias da avenida onde acontecia a ocorrência e também para facilitar o acesso dos caminhões do Corpo de Bombeiros que chegavam para combater o incêndio. Esse é um exemplo típico da importância do trabalho conjunto do Ciosp, usando as câmeras de videomonitoramento e o trabalho operacional integrado das instituições.

Quais denúncias podem ser feitas pelo 197?

R: Oficialmente 197 é o número. Mas a denúncia pode ser feita também pelo 190, pelo 193, que terá o mesmo tratamento dentro do Ciosp. É interessante as pessoas saberem que o 197 é da Polícia Judiciária Civil, mas que atua nas denúncias em geral, inclusive de policiais que estejam em desvio de conduta. Essas denúncias passam por uma triagem e terão um encaminhamento próprio. Se for de Policial Militar, por exemplo, ela terá o encaminhamento para a Corregedoria da PM, ou até mesmo para o Comando da PM.

O trote soma 55% das chamadas ao Ciosp. O que tem sido feito para minimizar o problema?

R: Essa é uma questão mais social, de educação dos pais, pois a maioria dos trotes é feito por crianças, que acabam impedindo que as pessoas que realmente precisam tenham acesso ao telefonista do Ciosp. Estamos fazendo o possível, principalmente quando se trata de adulto, de ir atrás, e prender essas pessoas por estarem praticando o trote, que é um crime.

O Ciosp também conta com o sistema Óptico de Reconhecimento de Caracteres (OCR) para checagem de veículos em tempo real. Como isso funciona?

R: É um tipo de câmera que trabalha de uma altura e foco específico para capturar imagens das placas dos veículos que passam próximo onde ela está instalada. Ela faz a análise instantânea da placa dos veículos que ela consegue capturar. Quando o veículo passa por ela, em menos de um segundo, já temos aqui no Ciosp as características desse veículo, modelo, se tem situação de restrição, e até se é um veículo furtado ou roubado. Se uma pessoa liga no 190 e passa a placa de um veículo furtado ou roubado, essa placa já é cadastrada, e se esse veículo passar por um desses pontos onde temos essas câmeras, chamadas de OCR, elas vão dar um alarme para o operador de sistema pelo Ciosp, que aciona a guarnição mais próxima para abordar aquele carro.

Como o Ciosp vai atuar na Copa do Mundo em Cuiabá?

R: Temos uma obrigação junto à FIFA e estamos trabalhando para termos o melhor atendimento durante a Copa, além do legado muito interessante para as cidades de Cuiabá e Várzea Grande. Hoje temos 72 câmeras nas duas cidades e teremos pelo menos mais 200 até a Copa. Serão câmeras mais modernas, com sistema HD (imagens em alta definição), ou seja, teremos um detalhamento muito bom, podendo dar zoom com mais definição nas situações visualizadas, melhorando muito a qualidade das informações produzidas no Ciosp. No trecho denominado como 'trecho FIFA', que compreende áreas como aeroporto, hotéis, centro de treinamento, fan fest e Arena Pantanal, terão 100% de cobertura das câmeras. Ou seja, a delegação desembarcou no aeroporto e, para onde ela for, nesses locais dito oficiais, teremos o monitoramento pelo Ciosp. Na questão física, todo o ambiente que temos hoje do Ciosp será reformado e transformado em um grande Centro de Comando e Controle. No local irá funcionar o monitoramento, atendimento, despacho e sala de crise, que no período dos jogos estarão concentradas todas as entidades de segurança pública que vão agir e comandar a operação na rua, usando as câmeras e os meios de comunicação que serão instalados no Centro. Hoje temos oito postos de despachos e monitoramento, e até a Copa serão 24 postos.

Um software usado no Centro de Comando e Controle foi testado pelo Ciosp durante o carnaval e as eleições municipais 2012. Qual foi o resultado?

R: Foi feito um comodato com a Secretaria de Segurança para testar o equipamento, e fizemos um simulado este ano na avenida do CPA, em Cuiabá, para testá-lo, e teve uma média muito boa de aprovação. Avaliamos o equipamento, a possibilidade e as condições com que ele trabalha, no que ele pode servir e quais são os seus limites. Encaminhamos isso à Brasília para eles decidirem pela aquisição ou não desse software. O fato é que sendo dessa empresa ou de outra, haverá durante a Copa um Centro de Comando e Controle e um software para ajudar essas pessoas que irão compor esse Centro a decidirem sobre as operações de rua.

Como é a capacitação do Ciosp? Existe curso em outro idioma voltado para o atendimento na Copa?

R: Temos um curso chamado Operador do Ciosp, que atende as três modalidades que temos no Centro Integrado, que é do atendimento telefônico, despacho e controle de ocorrências e de monitoramento de vídeos. Além disso existem as capacitações periódicas também com as novas tecnologias e novas ideias sobre esse tipo de trabalho. A intenção é que no período que compreende a Copa, que são três meses antes e depois do evento, tenhamos um grupo de pessoas que falem outros idiomas para atender os telefones de emergência. Essas pessoas serão contratadas para atuar nesses meses para o atendimento do turismo estrangeiro que Cuiabá deverá receber nesse período.

Existe projeto para expansão do Ciosp em MT?

R: É uma intenção da Secretaria de Segurança e do Governo do Estado a ampliação do Ciosp para 12 regionais de Mato Grosso, entre elas: Cáceres, Rondonópolis, Tangará da Serra, Pontes e Lacerda, Sinop, Diamantino, Juína, Barra do Garças, Primavera do Leste, Vila Rica. O processo de interiorização do Ciosp e da Inteligência Policial já teve início este ano no município de Cáceres, com a implantação do Centro de Comando e Controle e Inteligência (C3i), que está passando por adequações. Esse Centro nas regionais terá tudo que o Ciosp oferece hoje porém, na proporção da cidade. Teremos no local o atendimento automatizado, e a informação já vai para o despachador em outra sala. Esse despachador só vai fazer a operação de rádio e de controle de ocorrência. O local terá também o setor de monitoramento de câmeras, integrando as corporações, além do espaço para a Inteligência Estratégica. Existe também um trabalho de comunicação. Se a cidade é Sinop, por exemplo, o município de Vera pertence à regional de Sinop então, colocaríamos as chamadas telefônicas de Vera para serem atendidas em Sinop. Irá funcionar como uma central ampliada, como é o Ciosp em Cuiabá e Várzea Grande. Quem liga de Várzea Grande, a chamada cai na Central, em Cuiabá, que despacha a viatura em Várzea Grande para atendimento da ocorrência lá. As cidades polos do interior passariam a ser centrais. Esse projeto está em andamento e depende apenas da questão financeira do Estado. Acredito que esse é um caminho que tem que ser seguido pela segurança pública. Temos isso consolidado nas instituições e junto ao governador porque verificamos que é importante e é dessa forma que precisamos trabalhar para obtermos melhores resultados na Segurança.

Newsletter
Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: