IDIOMA

 
 
 
Serviços de A a Z
Terça, 24 de novembro de 2015, 17h05 | Tamanho do texto: A- A+

CADEIA DE ARENÁPOLIS

Recuperandos produzem 10 mil mudas para reflorestamento

As mudas de árvores nativas da região serão utilizadas no reflorestamento das margens do Rio Areia, que corta toda a cidade

RODRIGO MACIEL MELONI
Assessoria/ Sejudh-MT

A Cadeia Pública de Arenápolis estabeleceu parceria com a prefeitura do município para a produção de mudas de árvores nativas da região, que serão utilizadas no reflorestamento das margens do Rio Areia, que corta toda a cidade. De acordo com a direção da unidade, os recuperandos serão responsáveis por preparar as sacolas para as mais de 10 mil mudas a serem utilizadas.

“Dessa forma, esse projeto se manifesta relevante com a parceria entre a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos [Sejudh] e a Prefeitura, pois é um meio eficiente de proporcionar um retorno saudável do reeducando ao convívio com a sociedade, aproveitando o período de cumprimento de pena para oferecer qualificação profissional”, disse a diretora Luciana Francisca da Silva.

O serviço será realizado intramuros por 10 recuperandos e as sacolas serão encaminhadas ao viveiro municipal para receberem as mudas de árvores. “O município de Arenápolis teve por muitos anos sua economia baseada no extrativismo mineral. O garimpo de diamantes e ouro deixou como consequência o assoreamento do Rio Areia, bem como o desmatamento de suas margens”, explicou Luciana.

Outra iniciativa semelhante foi realizada no do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Tangará da Serra, onde o Governo do Estado desenvolveu o projeto “Construindo o Futuro”, que consiste na instalação de uma fábrica de tijolos ecológicos dentro do pátio. “Assim garantimos a reinserção social dos recuperandos do Sistema Penitenciário [Sispen] e, ao mesmo tempo, criamos nesses cidadãos consciência ambiental”, defendeu o secretário Adjunto de Administração Penitenciária, Luiz Fabrício Vieira Neto.

A fábrica garantiu ainda o desenvolvimento de outras atividades e a comercialização de tijolos para a sustentabilidade do projeto. Os tijolos ecológicos, resultado de uma mistura de solo arenoso, cimento e água, contribuem para preservação das florestas, pois não usa forno a base de carvão para a queima (cura térmica). Com o uso desta nova tecnologia, os resíduos de gás carbônico e fuligens dos fornos não são lançados na atmosfera.

O tijolo ecológico de solo-cimento também não necessita de revestimento das paredes internas e externas, evitando excessos de gastos com cimento, areia, tinta, madeiras, arames, pregos e mão de obra. Já os furos internos dos tijolos formam condutores para a rede hidráulica e elétrica, além de proporcionarem proteção térmica e acústica.

Newsletter
Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: