IDIOMA

 
 
 
Serviços de A a Z
Sexta, 30 de outubro de 2015, 13h15 | Tamanho do texto: A- A+

RESSOCIALIZAÇÃO

Projeto de esportes pretende mudar a realidade de jovens infratores

MÁRCIO CAMILO
Assessoria/Secel-MT

A Superintendência de Políticas Esportivas Especiais da Secretaria de Cultura, Esportes e Lazer (Secel) está elaborando um projeto para colaborar com a recuperação de adolescentes em conflito com a lei e em situação vulnerável por meio de atividades esportivas.

De acordo com o superintendente de Políticas Esportivas Especiais da Secel, Mário Márcio Pecora, os jovens serão divididos em equipes nas modalidades de futsal, basquete, vôlei, futsal, badminton, natação, futebol, atletismo e skate. “A proposta é que eles aprendam a trabalhar coletivamente para desenvolver o caráter, a disciplina, o respeito com o próximo e as demais virtudes inerentes ao esporte”, detalhou. 

O secretário adjunto da Secel, Luiz Pedro Sinohara, acredita que os adolescentes infratores podem ser recuperados e reinseridos na sociedade por meio do esporte. “Este governo tem o olhar para todos os seguimentos. Por isso determinei à superintendência que fizesse um estudo sobre atividades junto aos presídios e com esses jovens", salientou

A equipe técnica da Secel já se reuniu com a Coordenadoria de Atendimento Técnico e Saúde do Sistema Socioeducativo e com representantes da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), para começar a montar o projeto. No primeiro momento, a proposta é desenvolver as atividades no Centro Socioeducativo de Cuiabá (antigo Pomeri).

As modalidades esportivas também serão aplicadas com os adolescentes em vulnerabilidade social, nos bairros da Capital, como projeto piloto. Para isso, a equipe da Secel fará um mapeamento dos bairros mais violentos de Cuiabá. Nesses locais serão identificados os espaços esportivos e de lazer como quadras, praças e campos de futebol, onde as atividades esportivas serão desenvolvidas.

“O objetivo é formar uma rede de proteção social para trabalhar essas ações nos bairros. Se o jovem está ocupado com uma atividade construtiva é bem provável que ele não vá se envolver com o mundo do crime. Com isso, ao oferecer lazer e esporte, queremos evitar que esse jovem vá parar no Centro Socioeducativo”, explicou Pecora.

Além do esporte, o projeto prevê a oferta de cursos profissionalizantes. Serão cursos focados no empreendedorismo como o de pintor, mecânico, pedreiro, limpador de piscina e decorador. “Se ele tem uma renda é muito provável que esse jovem largue a criminalidade e busque o seu sustento através de seus esforços”, defendeu Pecora.

O coordenador esportivo da Secel, Luiz Benedito, o “Tamba”, destacou a importância de o Estado gerar oportunidades aos adolescentes em situação de risco social. “Muitos desses jovens vêm de famílias completamente desestruturadas e em muitas das vezes envolvidas com a criminalidade. Às vezes os pais são pessoas de bem, mas trabalham o dia inteiro e não dispõem de tempo para orientar os filhos. É quando a rua ganha esses jovens”, afirmou Tamba.

Além da reunião com os educadores do Centro Socieducativo de Cuiabá, a equipe da superintendência conheceu a estrutura esportiva da unidade que conta com uma piscina, quadra poliesportiva e um campo de futebol. Há também um pátio e um terreno descampado onde é possível desenvolver as atividades esportivas.

Pecora explicou que os próximos meses serão de planejamento e elaboração do projeto. O objetivo da superintendência é desenvolver o projeto durante o ano que vem.

Atualmente, o Centro Socioeducativo de Cuiabá conta com 70 adolescentes infratores e mais de 300 adolescentes no cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto. “A maioria deles têm recuperação. Nós não podemos abandonar o ser humano que está em vulnerabilidade social”, finalizou.

Newsletter
Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: